A eficiência do E-Commerce e do Social Commerce

A eficiência do E-Commerce e do Social Commerce

150 150 Sandra Turchi

Entrevista que concedi ao Portal Guia-se Ideias, em abril de 2013, sobre e-commerce e social commerce:

Hoje, vamos falar sobre a eficiência do E-Commerce e do Social Commerce. Para falar sobre estas duas ferramentas, a Guia-se conversou com a consultora e palestrante em Marketing Digital e E-commerce, Sandra Turchi.

Para entendemos a importância do E-Commerce hoje, Sandra explica que antes, para que uma compra fosse efetivada, o consumidor precisava dedicar, no mínimo, um dia inteiro para realização de pesquisas de preço, de marca, de loja etc. “Se ele não tivesse esse tempo, seria obrigado a comprar no lugar mais próximo de casa e, muitas vezes, pagar um preço mais alto por isso”, diz. “Hoje, é possível realizar pesquisas do sofá da sua casa, durante a madrugada – caso seja esse o seu horário livre – tendo acesso ao menor preço, podendo conhecer os prós e contras de cada marca e conseguindo optar pelo melhor custo x benefício, contando, ainda, com a comodidade de ter, em poucos dias, o produto entregue na sua casa”, comenta.

Além disso, Sandra explica que alguns comércios eletrônicos têm ferramentas para monitorar seu público, fazendo com que isso traga benefícios tanto para a empresa quanto para o cliente, “porque ela consegue resgatar o cliente que entrou em seu site, pesquisou determinado produto, mas não comprou. E para o cliente, pois ele tem a chance de comprar um produto com um desconto especial e direcionado às buscas dele, tornando o preço bastante competitivo”, explica.

“Ou seja, dentre diversos benefícios e mudanças que o e-commerce trouxe para o mercado, destacamos, aqui, que é prático, eficiente e, por significar custos mais baixos para a empresa (já que ela tem gastos reduzidos com funcionários, espaços físicos etc), consegue oferecer um preço mais baixo para o consumidor também”, enfatiza Sandra.

O Social Commerce e as vendas

O Social Commerce surgiu da capacidade de compartilhamento que a internet proporciona, principalmente com o avanço das mídias sociais. Sandra diz que o Social Commerce é o E-Commerce envolvendo o relacionamento entre pessoas. “As mídias sociais é um ambiente favorável à disseminação de informação sobre empresas, produtos e os mais variados tipos de experiência de compra, além de propiciar o relacionamento entre empresa e consumidor (conhecer o perfil, interagir nos comentários, lançar ações colaborativas etc)”, informa Sandra.

Uma curiosidade é que 78% das pessoas confia nas opiniões postadas na web, enquanto apenas 14% confia em anúncios. “Dessa forma, o ponto crucial que vejo, é que o Social Commerce permite que um potencial consumidor se sinta seguro e confiante para realizar a compra, já que ele tem contato com informações reais sobre a empresa, vindas de pessoas que já tiveram a experiência de interagir com a marca”, explica.

A consultora enfatiza que é preciso considerar, também, que há aplicativos que permitem a integração da plataforma de E-Commerce com mídias sociais, o que significa uma facilidade para o consumidor, que não precisa sair da sua rede para realizar a compra. “Portanto, se a empresa tiver uma ótima atuação e oferecer bons serviços, ela consegue obter feedbacks positivos, que gerem credibilidade e, automaticamente, aumento no número de vendas”, afirma Sandra. “Por outro lado, se não houver a preocupação da empresa com os canais digitais, os resultados gerados podem ser desfavoráveis e fatais para a marca”, finaliza Sandra.