As empresas nas Mídias Sociais

As empresas nas Mídias Sociais

150 150 Sandra Turchi

As mídias sociais vieram mesmo para ficar, o que fez com que profissionais de marketing e agências de propaganda e de grandes empresas buscassem entender essa nova realidade, criando ações capazes de encontrar e encantar seus consumidores na rede.

Segundo pesquisa realizada em 2011 pelo site Mundo do Marketing e pela TNS Research, 67% das empresas, nacionais ou multinacionais, utilizam Mídias Sociais, e desse total 92% preferem o Twitter como principal ferramenta, 69% estão no Facebook e 58% têm contato com seus clientes através do Orkut.

O estudo mostra que além das ações em redes sociais, as ações de SEM (Search Engine Marketing) e SEO (Search Engine Optimization) também vêm ganhando mais espaço, embora estratégias mais tradicionais como email marketing ainda tenham a preferência de 80% das companhias entrevistadas. Dentre as empresas que ainda não estão realizando ações em redes sociais, 64% delas afirmam que as iniciarão em 2011.

Artigo especial para o Decision Report - http://www.decisionreport.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=9552&sid=15

As redes sociais também são o principal canal de monitoramento dos consumidores on-line. No caso de comentários negativos, 51% das empresas afirmam que entram em contato com o internauta que postou a reclamação.

Isso demonstra a grande preocupação das empresas com o que acontece na web, mas ainda não quer dizer que estejam conseguindo implantar ações efetivamente alinhadas com suas estratégias e cultura, estabelecendo assim uma relação de fidelização e de engajamento de seus clientes.

Segundo uma pesquisa norte-americana, aproximadamente 65% das empresas pesquisadas utilizavam as mídias sociais no seu dia-a-dia para realizar pesquisas, buscar informações relevantes e fazer benchmarking. Dentre as atividades relatadas como mais comuns estão: manter sites de mídia social da companhia, monitorar o que é dito sobre a empresa, participar no Twitter, monitorar ratings, acompanhar o que é dito sobre os concorrentes, participar de discussões em sites de terceiros, divulgação e propaganda, gerir uma comunidade on-line para os consumidores e participar de sessões de perguntas e respostas em sites de terceiros.

No Brasil, essa realidade é bem diferente, principalmente quando falamos de Pequenas e Médias Empresas. Conforme estudo realizado pela Associação Comercial de São Paulo em 2010, apenas 17 % das empresas tinham suas empresas cadastradas em redes sociais, embora 40% monitorassem o que era dito sobre elas na web. Esse monitoramento, em geral, é feito por equipes próprias, ainda com pouca ou nenhuma utilização de recursos mais profissionalizados.

Isso reflete que as PMEs não dispõem nem de equipes focadas no assunto nem de investimentos exclusivos a serem feitos nesse tipo de ação. Além disso, cresce cada vez mais o chamado Social Commerce, com suas diversas variações, entre elas o F-Commerce (Facebook), ou seja, o consumo das pessoas é influenciado pelas opiniões de outros internautas com suas sugestões e recomendações. Com isso, as empresas precisam estar conectadas com esse novo consumidor, que já havia mudado sua forma de comprar, utilizando os mecanismos de pesquisas e buscas por preço, e agora usa também o boca-a-boca digital para tomar suas decisões.

É importante ressaltar que o uso das mídias sociais pode favorecer a empresa em diversos aspectos, mas é extremamente importante que a empresa entenda seu funcionamento e tenha uma estratégia, para iniciar suas atividades sem cometer muitas falhas.



 

3 comments
  • Orivaldo Mendonça 7 de outubro de 2011 at 12:47

    Um dos tópicos que as empresas devem ter mais cuidado com certeza é a proporção que a comunicação tem nas redes sociais.
    O que antes era um simples telefonema de reclamação que durava cerca de meia hora no SAC da empresa e que gerava um nº de protocolo e promessa de melhorias, hoje é uma reclamação de 140 caracteres visualizada, comentada e repassada para um novo universo. Não bastando ai uma simples promessa de que “O seu pedido será encaminhado ao responsável” e sim uma atitude pública de melhoria no serviço/produto.
    Creio que é um fator determinante do porquê de muitas pequenas e médias empresas estarem evitando esse tipo de mídia. E a questão de só observarem os concorrentes, como dizem por aí “Pimenta nos olhos dos outros é refresco”

    • Orivaldo, vc tem toda razão. O único problema é que não adianta as empresas evitarem essas novas mídias, pois as coisas acontecerão da mesma forma, independemente das ações das empresas, pois os consumidores estão muito mais conscientes do poder que tem em mãos hoje em dia. O que as empresas devem fazer urgentemente é conhecer mais para saber como atuar nesse cenário, para agir proativamente e quando necessário, gerenciar certas crises.
      Obrigada pelo seu comentário e até breve.
      Sandra

  • Com certeza Sandra!!
    E pela proporção que essas mídias crescem, não vai demorar muito pra isso acontecer….enquanto isso vamos nos preparando para essa nova realidade.
    Em Janeiro já estarei no seu curso pra isso!

    Sucesso!

Deixe um comentário