Tendências para o e-commerce em 2011 | Blog da Sandra Turchi | Comunicação e Marketing Digital

Tendências para o e-commerce em 2011

Tendências para o e-commerce em 2011

150 150 Sandra Turchi

 O e-commerce cresce de forma consistente no país, entre 30 e 40% a.a., devido, principalmente, ao aumento da inclusão digital, pois ainda há boa parte da população que não navega, próximo a 128 milhões de pessoas. Com previsões para 2010 de algo em torno de 15 bilhões de faturamento (sem vendas de leilões, automóveis e viagens). Esse valor supera as vendas do varejo nos shoppings paulistas. O número de e-buyers hoje é de 23 milhões de pessoas. Um segmento que ganha destaque, embora com menor representatividade em volumes ainda, é o de vestuário. Isto se deve a um problema de padronização, mas os players do setor tem se movimentado para sanar isso, visto que ninguém quer ficar de fora desse movimento. Uma das iniciativas que tem sido tomada é o uso de tamanhos em centímetros. Nos EUA o faturamento com roupas em 2009 foi US$ 27 bilhões, pois já existe a cultura de compras a distância, por catálogos há muito tempo.

(artigo para Portal Mundo do Marketing)

 Nesse segmento, crescem as iniciativas que possibilitam assessoria virtual de estilo, como o Boutique.com, criado pelo Google; ou sites de co-criação, como o ByMK, o Polyvore, a Camiseteria e o ModCloth – em que o cliente decide o que a loja deve comprar.

 Dentre os Clubes de compras, nos quais o cliente tem acesso a produtos de grife com grandes descontos, um dos que mais cresce é o Privália, bem como o Brandsclub, com mais de dois milhões de clientes cadastrados, o Superexclusivo e o Coquelux. Esse tipo de site, que oferece oportunidades únicas a públicos segmentados, deve continuar se expandindo muito em 2011, bem como o outro extremo, que oferece exclusividade e preço alto àqueles que podem bancar a compra de um item antes do seu lançamento, como no site e-closet e farfetch.com.

 Outro modelo que ganhou forças em 2010 e deverá continuar crescendo muito ainda é o de compras coletivas. Os números começaram tímidos, mas já demonstram rápido crescimento, pois atraíram para o e-market, por um lado, muitos consumidores que ainda não tinham se arriscado a comprar via web e, por outro, aproximou diversas empresas que nem possuem um site próprio, para “degustar” o poder da internet e, pelo visto, elas gostaram.

 Os consumidores aprovaram, pois tiveram acesso a produtos com descontos de até 90% do valor do produto e puderam desfrutar de serviços que normalmente não usariam ou adiariam sua compra.

 Veremos ainda um grande número de lançamentos de negócios nessa linha, porém mais segmentados, mais focados em determinados nichos de produtos ou segmentos de usuários, principalmente por classe social. Há ainda que se melhorar os serviços prestados, pois há diversos relatos de péssimas experiências, como o prazo dos coupons, ou atendentes que diferenciam os clientes que vieram “desses sites” no momento do atendimento, como também estabelecimentos que fecharam nesse meio tempo. E se isso não for bem trabalhado pelas empresas, poderá rapidamente, desgastar esse modelo.

24 comments
  • Gostaria de saber de onde foi esta pesquisa, qual a fonte dos dados.

    As informações são mto animadoras, em fevereiro virei com um novo layout da minha loja virtual e agora, depois deste artigo virei ainda com mais força.

  • Essa tendência de compras conjuntas está começando em minha cidade, acho que essa estratégia ou ideia assim possamos dizer, só reforça mais o poder da internet.

  • Com toda certeza os sites de compras coletivas viraram febre, mania, moda ou qualquer nome do genêro. Diante dessa febre de descontos o reclameaqui.com.br tem recebido muitos relatos negativos de e-consumidores que adiquiriram as ofertas nestes players. Tenho três observações a fazer em relação a este sites: 1º ate quanto o logidta consiguirá bancar estes descontos? 2º Os internautas que adiquirem estas ofertas são muito exigentes e na maiorias das vezes não deixam gorjetas. 3º o couponers! sim são aqueles loucos por ofertas, que na maioria das vezes não voltariam ao estabelecimento sem uma outra promoção do genero e tão pouco pagariam o preço cheio. Em muitos casos estas ofertas são adquiridas por uma classe social que antes não tinha acesso a estes produtos e serviços com o preço comum, sendo assim os estabelecimentos não estão preparados para atender adequadamente este novo publico. è preciso definir claramente para toda equipe dos estabelecimentos que apostam em sites de compras coletivas o objetivo a ser alcançado e explicar a imprtância do atendimento.

    • Ola Vinicius,
      Excelentes observações, concordo com todas elas! Podemos dizer que esse é o lado B dos Sites de Compras Coletivas!
      abs, Sandra

  • Magno Varela de Oliveirra 25 de janeiro de 2011 at 21:26

    Sandra Turchi bom dia,

    Estou uma loja virtual no segmento de chuveiros, metal e purificador de água. Gostaria de uma indicação de livro em e-commerce.

    Grato

    • Oi Magno.
      Desculpe, mas acho que seu email foi cortado. Não entendi, vc já tem uma loja virtual ou está montando uma?
      Vc gostaria de indicação de um livro ou precisa também de alguma consultoria/assessoria? Em que estágio de conhecimento vc está? Já tem alguma base?
      A sua empresa é de pequeno porte?
      Abs, Sandra

  • Magno Varela de Oliveirra 28 de janeiro de 2011 at 14:43

    Oi Sandra,

    Estou na fase de criação do saite, e gostaria da indicação de algum livro que possa me dar uma consultoria. A empresa é de pequeno porte.

    Abraço

    • Ola Magno, um livro para inicio de operações em e-commerce pode ser o do Mauricio Salvador: Como abrir uma loja virtual de sucesso, editora Gramma.
      Um abraço, Sandra

  • Em relação á questão do nicho de mercado, existe um site de compras coletivas associado ao ClickOn, que é o Brands Club. Nesse site muitas marcas famosas e de grife anunciam seus produtos com preços mais acessíveis e não atuam estilo “oferta única do dia”. São expostos vários itens de uma mesma marca e as marcas são classificadas por tipo de produto: camisas, acessórios, calçados etc. É uma espécie de shopping de grife sempre em promoção na internet.

    Outro problema é o acesso a conexões de internet de qualidade. Partindo-se para uma observação de todo o território nacional, percebe-se que a proporção de usuários de banda larga nas regiões norte e nordeste é bem menor do que a de usuários no eixo centro-sul do país. Desse modo, integrar o país (que é bem grande e de geografia bastante variada) via redes de internet é um desafio que precisa ser vencido, o que traria enormes benefícios ao e-commerce brasileiro.

  • A estratégia de descontos é eficiente para chamar a atenção do cliente, porém raramente agrega valor ao negócio.

    Isso é devido ao fato de que geralmente atrai clientes que não comprariam daquela empresa em um preço normal. Estes, provavelmente não retornarão mais quando os preços estiverem normais. Isso corrói as margens de lucro e o valor da empresa.

    Use o Inbound Marketing para promover sua empresa online e gerar valor para seu cliente.

    Assista o vídeo:
    Os Segredos do Inbound Marketing
    http://www.madraint.com/2011/inbound-marketing/os-segredos-do-inbound-marketing/

    abs//

  • Sandra
    Boa noite

    Estou com o objetivo de montar um e-commerce e gostaria de informações de como proceder claro que não existe um passo a passo mas a troca de informação não acarreta a tantos erros.

    Indicações de leituras, videos ou livros a serem lidos para obter mais conhecimento nessa área , já trabalho no ramo de tecnologia.

    • oi Bruno. Vc está no caminho certo. Na minha opinião tudo começa com a busca por conhecimento. E depois bons parceiros. Aqui no blog vc poderá ler vários artigos que dão dicas sb e-commerce. Além disso, tem o livro do colega Mauricio Salvador: “Como abrir uma loja virtua de sucesso”, que é bem prático.
      Procure também cursos e seminários. Veja no blog essa parte.
      Abs, Sandra

  • Ola!
    Tenho um pedido.
    Onde consigo dados informativos e cases de sucesso de empresas de e-commerce que apostaram em branding, não apenas em banners com descontos, mas sim no fortalecimento da marca.
    Pois atuo em uma empresa que toda sua publicidade é voltada a expor os produtos e seus preços, mas não existe campanhas para promover a empresa.
    Obrigado!

  • Olá Sandra, acredito bastante na segmentação do mercado de compra coletiva pois iniciamos em março a operação do PesoOff, primeiro site brasileiro de compra coletiva saúdavel, focado para perda de peso.

    Tudo que vc escreve é acompanhado por nossa equipe, portanto quero deixar os parabéns pelo excelente artigo.

    Se puder peço que leia tbm em nosso release no link http://www.pesooff.com.br/PesoOff.pdf

    Grande abraço!

  • Boa Tarde,

    Gostaria de saber cerca de quantas lojas virtuais ativas existem no brasil,

    Um Abraço!

    • Paulo, não sei se recebeu minha resposta, mas sugeri que vc procurasse o Sebrae, para ver se eles já publicaram um estudo que estavam fazendo a respeito ou então a Camara-e.net.
      abs
      Sandra

  • Sandra, fiquei contente ao saber que você está no meio de um grande projeto pessoal que culminará com o aumento do consumo de produtos para bebês! Desejo muito sucesso na realização do projeto e que maximize a sua felicidade com o aumento de sua equipe familiar! Forte abraço, Marco Bayeux

    • Ola Marco, como vai? Quanto tempo!!
      Estou com sds!
      Pois é, esse novo projeto toma um tempo da gente! Mas é uma delícia. Estou apaixonada. Precisamos agendar um café.
      Vi que vc indicou uma pessoa pra falar comigo sobre a confraria. Vou atende-la.
      Um forte abraço,
      Sandra

Deixe um comentário